Entregar o controle a outra pessoa: experiência “libertadora” – parte 1

Dominadora profissional São Paulo

Vou abordar a questão do CONTROLE dentro do universo BDSM. Nessa primeira parte, em uma leitura curta para que nas próximas publicações você possa acompanhar e compreender um pouco mais sobre o assunto.

 

Entregar o controle a outra pessoa é uma experiência muito “libertadora”. O que quero dizer é que liberdade e responsabilidade são dois lados da mesma moeda. Mas enquanto a liberdade é boa, a responsabilidade é muitas vezes estressante e desgastante. Ao desistir da liberdade, um submisso pode se sentir “liberto” da responsabilidade e, portanto, livre do estresse que o acompanha, mesmo que apenas por um momento. Enquanto eles estão sendo controlados, eles não precisam mais se preocupar com qualquer outra coisa. De repente, tudo se torna uma preocupação de outra pessoa, e isso faz com que se sintam melhor.
O controle também pode ser um grande fator para as pessoas dominantes, mas na direção oposta. Ser dado controle sobre a vida ou o corpo de outra pessoa pode parecer muito fortalecedor. O conhecimento de que agora você tem poder sobre outra pessoa, e eles não apenas aceitarão de boa vontade, mas de bom grado, a sua vontade, é muito estimulante.
Outro tema comum no bdsm é a confiança. De muitas maneiras, todo bdsm é um exercício de suprema confiança. O submisso está confiando que o dominante vá tão longe e não mais, e proteja o submisso de danos indevidos. Para um submisso, ser capaz de confiar em alguém tão profundamente que você está disposto a literalmente colocar sua vida em suas mãos é muito excitante. E para um dominante, ter alguém em sua vida que esteja disposto a lhe dar esse tipo de confiança também.

Entrevista para o SexlogTV – Parte I

 

Minha entrevista para o canal Sexlog.tv

 

Ah faz qualquer coisa pra eu deixar? Você faz qualquer coisa pra mim de qualquer jeito, esqueceu disso escravo? (risos)

 

Estreando o meu brinquedinho novo e essa sandália lindíssima! Como sempre muita diversão. Podolatria, slap face, tease and denial e inversão de papéis. Adoro.

Olha o seu lugar escravo bem aqui na minha frente de joelhos, adorando a sua dona e me servindo como eu bem desejar.

  • Quero massagem
  • Limpe meu salto
  • Balança o rabinho pra mim?
  • Vem colocar a sua calcinha nova que eu trouxe pra você
  • Ah, a coleira também
  • Olha onde é o seu lugar bem aí embaixo
  • Você limpou bem o rabinho? limpe de novo!
  • Trás o meu vinho escravo
  • Acenda o meu cigarro
  • Trás o cardápio pra mim
  • Quero descansar os meus pés
  • Fique aí embaixo sendo meu tapete
  • Beija meus pézinhos um pouco
  • Vista as sadálias novamente
  • Limpe as minhas sandálias, com a lingua claro
  • Vamos conferir se o rabinho está habitável….
  • Engole meu brinquedinho enquanto converso com a minha amiga no telefone
  • Responde pra ela que você é uma cadela de boca cheia haha
  • Quero estrear meu brinquedinho novo em você daqui a pouco
  • De franguinho assado
  • Agora de quatro
  • Gemendo fininho até eu enjoar
  • Enjoei
  • Quer gozar? Oque não entendi?
  • Implore mais
  • mais um pouco…
  • Ah faz qualquer coisa pra eu deixar? Você faz qualquer coisa pra mim de qualquer jeito escravo, esqueceu disso? (risos)

 

Para tudo uma só resposta:

– Sim Senhora, Madame.

Vestido preto sandálias vermelhas – Femme Fatale

Look maravilhoso divando nesse ensaio incrível. Amo sandálias vermelhas, o clássico preto, um bom vinho…. Em breve todas as fotos na galeria!!

 

Lugar de escravo – Slave’s place

Em breve mais fotos e o vídeo do final dessa sessão. Muito facesitting, trampling, FemDom Supremacy total! Adorei usar o meu novo escravo para limpar meus sapatos, beijar e lamber os meus pezinhos…. ele foi: o meu banquinho, mesinha, cinzeiro, poney, tudo oque eu quis. Ele está em treinamento e em breve receberá a sua coleira permanente, se merecer e implorar muito claro.

Mistress Monique Maud também estava comigo, usou meu escravinho gringo também, tirou as fotos e fez o vídeo.

Importante: todos as fotos e o vídeo foram autorizados e feitos de forma consensual.